Uma Festa Olímpica, Com Muitas Luzes… E Mais Sombras

Imagem do Estádio Olímpico ‘Ninho’ iluminado no decorrer da noite. 11.128 atletas participarão dos Jogos Olímpicos mais polêmicos de nossa história recente, que serão efetuados em Pequim, entre oito e vinte e quatro de agosto. A partir de Moscovo ’80 ou México ’68 -momento do ‘Black Power’- nenhuma declaração ou política reivindicativa havia maculado a manifestação mais significativo do esporte em todo o mundo.

O COI olhou para a China com uma venda nos olhos, sem importar a violação dos direitos humanos (observar notícia) e que isso choque frontalmente com o patrocinado ‘espírito olímpico’. A chance econômica para entrar no mercado chinês é única pra empresas patrocinadoras dos Jogos Olímpicos. Serão os Jogos mais espetaculares de toda a história, a China quer ensinar ao mundo o poderosa que é. Haverá recordes olímpicos e marcos mundiais. Será o trabalho das atletas de lenda e vamos melhor conhecer de perto o país onde se exerce o evento.

Mas, inevitavelmente, uma das marcas com mais importância de o mundo todo, os Jogos Olímpicos, ficou danificada. Tudo começou com as revoltas tibetanas (ver de perto notícias), entre 20 e 200 mortos, segundo as fontes, que se estendeu por várias cidades ocidentais, onde a tocha viajou, como Paris (olhar notícia), Londres (enxergar notícia) ou San Francisco (visualizar notícia). Hoje ainda seguem as repressões a manifestações (pacíficas pela maioria dos seguidores) à apoio de porrazos da autoridade. Esta conduta ditatorial, que vem de uma nação exigente e perfeccionista. Não surpreende, depois de visualizar o passado quarta-feira, no ‘DocumentosTV’, em Boquete2, a pressão e o castigo físico e mental a que são submetidos os ‘ginastas chineses de entre 5 e nove anos de idade.

  • Página 10 de trinta e nove
  • Ramona Jiménez Santiago
  • 4 Livros de caça
  • Raízes fúlcreas
  • O Doutorando responde
  • Qualquer pessoa pode solicitar uma consulta de exclusão, a toda a hora que motivos: deram-se

Todos esses incómodos eventos serão arrastadas e escondido debaixo de uma encantadora tapete. Um tapete que suportará espectaculares instalações olímpicas, como a água do “Cubo de Água”, ou o Estádio Olímpico de ‘Ninho’. Terá recinto uma cerimónia de inauguração despolitizada, que concluirá com o maior castelo de fogos de artifício jamais visto, testemunhado ao vivo por somente 85 máximos dirigentes dos 205 países membros.

se não fosse pouco, Pequim tem que guerrear contra a poluição que emitem os seus 17 milhões de habitantes. Várias expedições de atletas chegam a Cidade Olímpica, com máscaras que tapaban nariz e boca. O governo ambiente pediu que porção das indústrias deixem de operar nesses dias para não ampliar a poluição e 1,5 milhões de veículos foram imobilizados. E por controlar que não fique, as autoridades querem pulverizar de iodeto de prata nas nuvens que cobrem a capital da china, um dia antes da solenidade e baixar a sua água naquele dia. Tudo deve sair ideal aos olhos do mundo, vendado e algemado, entre 8 e 24 de agosto.

Mais difícil supõe, todavia, determinar o nome exato do povo galego que habitou os castros de Ferrol e a tua comarca. No ano 411 marca o encerramento da dominação romana em terras galaicas. Iuliano de setúbal (São Julião de setúbal). Então, uma pequena cidade costeira, já com um templo dedicado a San Julián, o Ferrol medieval situava-se a respeito do que hoje é conhecido como “bairro de Ferrol Pêlos”. A vitória de Enrique de Trastámara sobre isto dom Pedro I, em 1369, traria graves resultâncias e alterações pro reino de Galiza e em especial para a vila de Ferrol.