Como Evitar Problemas Quando Sua Família Investe Em Seu Negócio

Friends, Family and Fool (Amigos, familiares e ‘bobos’) são os 3 F’s que inserem este ambiente mais próximo que se envolve no financiamento de nosso projeto empresarial desde o início. Costuma ser o primeiro passo natural de todo empreendedor pra colocar em prática o projeto. Os peritos consideram que recorrer à família é uma sensacional possibilidade para cobrir a lacuna de financiamento que, inicialmente, é descoberta por outras vias”. No entanto, o paradoxo surge no momento em que, tentando fechar uma brecha, abrimos outra ainda mais profunda, uma vez que muitas famílias ficaram claramente rompidas por causa de empréstimos não pagos, más gestões ou negócios considerados injustos.

a Menos que a intenção seja fazer uma contribuição a fundo perdido, sem que importem as conseqüências, existem estratégias para impossibilitar futuras desavenças familiares e assegurar o retorno do dinheiro emprestado. A primeira regra para obtê-lo é esquecer expressões como investimento informal ou capital sem risco.

  1. Unidas Podemos Ceuta, a Esquerda Unida-Verdes (Podemos-IU-Equo)
  2. 3 Efeitos políticos
  3. 28 de fevereiro: 88.ª solenidade de Premiação do Oscar
  4. 1967: Maria Galido Praça, política filipina
  5. aconteceu um boom de produtos agroindustriais, como o algodão e a cana-de-açúcar

Independentemente da rua pela qual venha, não se podes subtrair importância ao capital, que nos socorro a dar os primeiros passos com a corporação. Também, a Administração sabe como alguma coisa normal que um familiar empreste dinheiro a outro e não cobiçar cobrar juros sendo assim. Se a renúncia à cobrança dos mesmos encontra-se explícita, nunca irão aparecer dificuldades relacionados a benefícios velados, como poderá ser o pagamento de interesses não declarados, heranças secretas ou doações. Pode acontecer, contudo, que nenhum dos envolvidos considere essencial documentar publicamente o empréstimo.

neste caso, o desejável é que ambas as partes assinem, ao menos, um documento peculiar. Tanto este, como a escritura no notário são juridicamente válidos e em ambos os casos se podem oferecer garantias de regresso e fixar prazos e modalidades de devolução.

Outra das prevenções apontadas por Conceição Varela Vázquez, da Confederação de Empresários Da Galiza, é que quando se opte por um contrato privado “as assinaturas de quem membros estejam autorizadas”, fornecendo ao documento de superior formalidade. Seja público ou privado, a ponto primordial do documento será proporcionar absoluta transparência. De acordo com Javier Quintana, diretor geral do Instituto da Empresa Familiar, “convém agir sempre com luz e taquígrafos recorrendo aos serviços de um profissional ou, em sua ausência, a testemunhas. Ademais, como filiado do Instituto aconselho unir toda a família pré e explicar os planos”.

quanto ao contrato que assina, este precisará atender as pretensões e as situações de cada caso em peculiar. Uma vez determinado o empréstimo, trata-se de imediato de evitar suspeitas com o resto dos irmãos e familiares. A solução proposta por maria Quintana “é envolver a família no desenvolvimento e prosperidade do negócio. Isto consiste em ceder porção das ações para os familiares, entretanto o empreendedor preservar o máximo de controle da corporação. O resto figuram como acionistas e partes interessadas”. A doação pode ser outra fórmula que um jovem empreendedor obteve de seus pais o dinheiro crucial nesta fase de arranque do negócio. Entende-Se por doação a transferência voluntária de bens.